• Início
  • Journal
  • Zwift, Strava, Rouvy. Uma vitória do metaverso?
  • Zwift, Strava, Rouvy. Uma vitória do metaverso?

    Zwift, Strava, Rouvy. Uma vitória do metaverso?

    por Daniel Bahia

    A sexta etapa da Vuelta a Espana será mais um daqueles dias memoráveis na história do ciclismo. Começaremos o resumo de hoje pelo vencedor do dia, o jovem Australiano de 26 anos, Jay Vine.

    Em 2020, Jay venceu o Zwift Academy Program e como premiação, ganhou um ano de contrato na equipe belga Alpecin-Fenix (hoje Alpecin-Deceuninck). Sua estreia em grandes voltas aconteceu na Vuelta do ano passado e Jay conseguiu selar seu destino com o desempenho mostrado na 12ª etapa – quando conseguiu ser o último atleta da fuga a ser capturado, faltando 1km pra chegada; e na 14ª – quando foi derrubado pelo carro da própria equipe, se recuperou, e ainda conseguiu o 3º melhor tempo na montanha do acidente. Essa performance foi o suficiente para que a equipe reconhecesse seu talento e prorrogasse seu contrato até 2023.

    Jay, que já vinha realizando uma boa temporada em 2022, com um 2º lugar na Classificação Geral da Volta na Noruega, conquistou hoje sua primeira vitória do World Tour, em uma difícil etapa de montanha da Vuelta, atacando do pelotão principal. Deixou para trás alguns dos principais ciclistas profissionais do mundo, como: Primoz Roglic (Jumbo-Visma), Enric Mas (Movistar), Remco Evenepoel (Quickstep Alpha Vinyl) dentre outros… Chapeau Jay!!

    Falando em Remco; que classe…

    O fenômeno Belga hoje nos presenteou com mais uma fantástica exibição na bike, abandonando “sentado no selim”, quase todos os concorrentes à classificação geral (apenas Enric Mas “milagrosamente” o acompanhou no clássico wheel-sucking).

    O caos começou no excelente trabalho de Julien Alaphilippe, campeão mundial e colíder de Remco em sua equipe Quickstep, que manteve um ritmo muito forte entre 36km e 11km para a chegada. A estratégia desgastou demais o pelotão dos principais atletas, deixando o grupo final bastante selecionado e com uma íngreme, gelada e chuvosa montanha pela frente.

    Em meio a muita neblina, os ataques finais começaram e num deles, faltando 10km, partiu Jay Vine, perseguindo a fuga remanescente do dia. Faltando exatos 8,9km pra chegada foi a vez de Remco Evenepoel acelerar (levando, Enric Mas no reboque) de forma brutal e solida, que só não foi capaz de alcançar o vencedor Vine.

    Remco chegou em segundo lugar na etapa e abriu uma vantagem de 20’ sobre Rudy Molard (Groupama-FDJ), assumindo assim a camisa Roja. É a primeira camisa de líder em uma Grande Volta de Remco, em sua segunda participação (Giro 2021).

    Apesar dos diversos pontos de sprint e montanha distribuídos não tivemos mudanças; Sam Bennet (BORA) segue líder na camisa verde por pontos e Victor Langellotti (Burgos-BH) segue líder na camisa de montanha. Já a branca de melhor jovem? Essa é do garoto Remco…

    Grande dia!

    Compartilhe este post

    Deixe um comentário

    Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.