• Início
  • Journal
  • Quem trabalha sempre alcança? A Jumbo disse que sim.
  • Quem trabalha sempre alcança? A Jumbo disse que sim.

    Quem trabalha sempre alcança? A Jumbo disse que sim.

    por Leandro Bittar

    Faltando três dias para o final do Tour de France havia um consenso: Wout Van Aert era o favorito para a vitória nas três etapas. Mesmo com todo cansaço (!) acumulado, o belga seria capaz de vencer em todos os cenários. Porém, nesta sexta-feira o fenômeno Wout decidiu que iria trabalhar para manter uma escrita dos anos 2000. Todo ano um francês vence ao menos uma etapa. “Hoje vamos por você”, disse Van Aert ao gregário. E foi assim que o fortíssimo Christophe Laporte saltou da missão de domestique e não desperdiçou essa grande chance.

    Wout (de verde) abraça o vencedor da etapa

    Laporte é um ótimo ciclisma. Por sete anos consecutivos competiu o Tour de France com a camisa da Cofidis. Em todos chegou entre os 10 primeiros em ao menos uma etapa. Aos 29 anos de idade e com 21 vitórias na carreira ele se juntou ao time Jumbo nessa temporada. Decolou. Foram apenas duas vitórias. Aquele dia incrível quando cruzou junto com Van Aert e Roglic na meta de Mantes-la-Ville, na Etapa 1 da Paris-Nice. E nesta sexta-feira, em Cahors, no apagar das luzes do Tour de France 2022. Laporte se tornou peça fundamental na equipe. Um gregário que pode vencer.

    Laporte recupera o protagonismo após a derrota na Gent-Wevelgem para Bini Girmay. É mais que um gregário.

    O dia foi muito movimentado com várias tentativas de fuga sendo marcadas. Os velocistas queriam brigar pela vitória depois de três consecutivos de martírio na montanha. Muitas equipes queriam também salvar ao menos uma etapa nesta edição.

    Foi um dia muito movimentado. Praticamente, uma despedida do pelotão das estradas franceses

    Até Tadej Pogacar atacou, demonstrando mais uma vez o seu panache. Tenso o dia todo para o pelotão, teve um final muito emocionante para quem assistiu, incluindo a possibilidade da fuga resistir nos metros finais.

    Laporte não acreditou na façanha. Oito anos tentando e seu grande dia no Tour chegou.

    Foi nesse “descontrole” que Laporte apostou suas fichas. Em um curto período de tempo duas ações muito efetivas, primeiro saltou do pelotão para o grupo em fuga. Depois acelerou para cruzar a linha solitário. Naquela cena clássica de um pelotão esfarelado desfocado ao fundo. Ontem eu brinquei por aqui que a única vez que o Tour tinha chegado em Cahors a vitória ficou com o francês Jacky Durand. Um ciclista super valente. Desconfio que “Doudou” não poderia ter feito melhor.

    Neste sábado os ciclistas disputam o contrarrelógio individual. 40,7km. Duas subidas na parte final devem se tornar montanhas HC para os mais cansados do pelotão. É dia de acertar as diferenças finais na classificação geral. Um novo “milagre” de Pogacar, como em 2020, parece pouco provável. Mas ele disse que vai lutar. Os especialistas voltarão a dar as caras…Ganna, Kung, Bisseger e, claro, Wout Van Aert.

    22/07/2022 – Tour de France 2022 – Etape 19 – Castelnau-Magnoac / Cahors (188,3km) – VAN AERT Wout (JUMBO – VISMA) – Avec le maillot vert
    22/07/2022 – Tour de France 2022 – Etape 19 – Castelnau-Magnoac / Cahors (188,3km) – VINGEGAARD Jonas (JUMBO – VISMA) – Avec le maillot a pois
    22/07/2022 – Tour de France 2022 – Etape 19 – Castelnau-Magnoac / Cahors (188,3km) – VINGEGAARD Jonas (JUMBO – VISMA) – Avec le maillot Jaune
    Compartilhe este post

    Deixe um comentário

    Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.