• Início
  • Journal
  • Paris-Roubaix: Van der Poel e Alison Jackson vencem a Inferno do Norte
  • Paris-Roubaix: Van der Poel e Alison Jackson vencem a Inferno do Norte

    Paris-Roubaix: Van der Poel e Alison Jackson vencem a Inferno do Norte

    A Paris Roubaix 2023 teve dois grandes nomes como campeões dos paralelepípedos.

    No masculino, Mathieu Van der Poel atacou ao longo do dia inteiro para chegar sozinho no final. Entre as mulheres, Alison Jackson venceu na disputa que aconteceu no sábado.

    Paris Roubaix Feminina

    No final emocionante de uma terceira edição totalmente cativante do Paris-Roubaix Femmes, Alison Jackson (EF Education-TIBCO-SVB) conquistou a maior vitória de sua carreira, acelerando na curva final do famoso velódromo para ultrapassar suas cinco rivais no sprint. A canadense de 34 anos cruzou a linha de chegada à frente de Katia Ragusa, da Liv Racing, enquanto Marthe Truyen, da Fenix-Deceuninck, conquistou o último lugar do pódio.
    Quando Alison Jackson e suas companheiras de fuga entraram no velódromo de Roubaix, elas se depararam com um barulho ensurdecedor.
    “Sempre digo que adoro corridas de bike. Eu amo o caos, eu acho que é muito divertido. Mas há um tipo especial de diversão quando você ganha”, disse a atleta de 34 anos em entrevista coletiva. “Como canadense, vencer esta corrida é algo monumental para o ciclismo no Canadá. Para mim, [é] a minha maior vitória da minha carreira. Sim, um sonho tornado realidade.”
    Foi só aos 26 anos, em 2015, que Jackson se juntou pela primeira vez ao ranking profissional. Ela é uma ex-campeã nacional, tanto na estrada quanto contra o relógio, mas antes deste fim de semana, só havia provado o sucesso do WorldTour no Simac Ladies Tour, onde venceu uma etapa há dois anos.
    “Uma vez que você está na corrida, você simplesmente esquece e vai. Você tem que usar o que você tem.”
    Se Alison Jackson não fosse uma ciclista, ela seria uma quiroprática, um tipo diferente de atleta profissional ou talvez uma dançarina de hip-hop ou bailarina. E se você é um dos milhares de fãs que a seguem nas redes sociais, você sabe disso.

    Embora ela possa ser mais conhecida por ser a brincalhona do pelotão com seu Instagram cômico e TikTok, Jackson também é uma veterana respeitada e querida no campo feminino.
    “Ali é muito engraçada e divertida e tem muita energia positiva, mas ela também é uma piloto muito tenaz, nunca desiste, sempre luta muito e é uma companheira de equipe consumada”, comentou a compatriota norte-americana Alison Tetrick, que competiu contra Jackson por muitos anos.

    Paris Roubaix Masculino

    Esse domingo foi o dia de Mathieu Van der Poel. Muito dominante, atacando e comandando o pelotão do início ao fim da corrida.

    Mathieu van der Poel venceu sua primeira Paris-Roubaix depois de atacar a 15 km do final e rodar sozinho para uma vitória memorável.
    O holandês se afastou de seu companheiro de ataque Wout van Aert assim que eles saíram do Carrefour de l’Arbre, este último sofrendo um furo no momento em que a dupla parecia ter finalmente se livrado dos outros cinco pilotos do grupo que liderava a prova.
    Van der Poel entrou no velódromo solo e venceu por 46 segundos, conquistando sua primeira vitória no Inferno do Norte. É também a quarta vitória como piloto da Alpecin-Deceuninck em um Monumento, somando Roubaix a duas vitórias no Tour de Flandres e Milan-Sanremo.
    Seu companheiro de equipe Jasper Philipsen venceu Wout van Aert, levando o segundo lugar, garantindo que Alpecin-Deceuninck ficasse com os dois lugares mais altos do pódio na última corrida de paralelepípedos da primavera.
    Para van Aert, foi mais uma vez o que poderia ter sido: esta foi sua quinta participação na corrida, e já terminou em segundo, terceiro e sétimo. O degrau mais alto, como no Tour de Flandres, continua a evitá-lo.
    Van Der Poel assumiu que essa foi a sua temporada de clássicas em que ele estava mais forte.
    ‘Corremos como juniors do início ao fim. Foi uma loucura’ – contou
    É incomum ver o movimento do campeão acontecer tão cedo em um monumento, mas sob o sol escaldante de Roubaix, não foi surpreendente. Para Van der Poel, a corrida é melhor quando é feita a todo vapor. Seus 11 companheiros de fuga, entre eles Wout van Aert, Mads Pedersen e Stefan Küng, ficaram felizes em participar.
    “Foi muito louco. Mas para mim não foi ruim, porque quanto mais difícil a corrida, melhor para mim, principalmente o final.”
    “Acho que foi a edição mais rápida também. Eu não sei ao certo. Foi incrível.”
    Van der Poel estava certo. Direto da queda da bandeira, o grupo rodou mais rápido do que o tempo mais rápido previsto no road book. Os fãs correram entre os setores empoeirados, apenas para saber que os pilotos já haviam passado.
    Por apenas um ano, Dylan van Baarle deteve o recorde do Paris Roubaix mais rápido de todos os tempos, até que seu compatriota apareceu e o superou em um quilômetro por hora. O recorde agora é de 46,8 km/h.
    Van der Poel falou sobre o pneu furado de Van Aert: “Se ele não tivesse o pneu furado, imagino que teríamos ido juntos para o velódromo”
    “Como eu disse antes da corrida, não precisamos apenas de boas pernas, mas também de um pouco de sorte.”, completou.

    Deixe um comentário

    Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.