• Início
  • Journal
  • O que vestir no pedal?
  • O que vestir no pedal?

    O que vestir no pedal?

    Essa é uma dúvida que passa na cabeça de muitos ciclistas, “o que vestir em determinada temperatura?” desde quem está começando agora até quem já tem mais tempo de selim.

    Vamos aproveitar que as temperaturas aqui no Brasil estão esfriando e trazer uma série de dicas pra te auxiliar na escolha daquele TRAJE bonito e funcional.

    Temos os seguintes pontos introdutórios, antes de entrar na questão da escolha propriamente dita

    • Conhecimento da Região: isso é algo adquirido com a experiência ou através de pesquisas em sites metereológicos. Relatório de temperatura média mensal e de nível de chuvas. Esse conhecimento te dará um norte da hora de saber quanto ter de cada peça.

     

    • Autoconhecimento: que neste caso seria entender como o seu corpo se comporta em diferentes temperaturas. Se sente frio ou calor com mais facilidade, para buscar tecidos mais leves ou aqueles que te garantirão o conforto térmico no inverno.

     

    • Quantidades: baseado no seu autoconhecimento, as quantidades serão definidas com o número de vezes que você treina e de acordo com o clima da sua região. 

    De modo geral, nas estações como primavera e outono você fará incrementos em suas vestimentas de verão (itens serão listados em breve) e no inverno precisará de algo mais específico.

    As roupas de ciclismo também são diferenciadas para os gêneros, visto que existem necessidades fisicas, biomecânicas e fisiológicas diferentes.

     

    Básico

    São os itens indispensáveis no seu guarda-roupa e que possuem variações que poderão te servir em qualquer uma das quatro estações

    • Base Layer: é a primeira etapa da sua vestimenta, normalmente regata ou com mangas curtas é feita com um tecidos transpiráveis, tem como objetivo te manter seco e evitando que o suor permaneça junto ao seu corpo. Dessa forma ela ajuda a te resfriar em momentos quentes e te mantém aquecido nas descidas, por exemplo.

    Opções de manga comprida são bem-vindas quando as temperaturas abaixam.

    • Shorts e Bretelles: os shorts são feitos de modo que evite que o tecido da perna suba e o tecido da cintura desça, além de ser equipado com o forro que protege do atrito com o selim.

    Os Bretelles, são por assim dizer, a evolução dos shorts. Para evitar que eles, por alguma razão, fiquem soltos no corpo, são providos com alças suspensórias que vão apoiadas no ombro.

    Para as mulheres, as empresas já desenvolvem cortes especiais e mecanismos que facilitem na hora dos chamados da natureza, como o Bretele Pro Pipi, que contém um zíper na parte lombar, além de alças em formato de X.

    Existem bretelles ¾ ou Calça, que podem servir em temperaturas mais baixas, tomar cuidado com modelos que não tenham excesso de tecido na região do joelho, isso atrapalhará o movimento da pedalada e pode causar lesões.

    Dica: se você encontrou um bretelle que funciona bem com você, tente ter sempre o mesmo modelo

    Dica 2: as alças passam por cima da base layer

    • Jersey: atualmente, elas foram desenvolvidas para aumentar a velocidade e visando o ganho aerodinâmico e são realmente bem justas ao corpo, mas existem empresas e modelos que ainda fazem cortes mais soltos. As camisas de ciclismo vêm com três bolsos nas costas para carregar comida e itens essenciais. Existem nas versões manga curta e manga longa, mas se o budget estiver curto invista nas mangas curtas, que podem ser incrementadas com Manguitos. 

    Opções com zíper completo podem ser boas escolhas, visto que em dias quentes você pode abri-los e refrigerar o radiador.

    Dica: cores são importantes para que você seja visto no tráfego.

    • Meias: de modo geral servem para aquecer os pés, mas uma boa meia também mantém os pés secos e livres do chulé.
    • Luvas: são equipamentos mais de proteção do que vestimenta. Aqui a dica é ter ao menos uma com dedos fechados e uma aberta.

     

    Acessórios

    Conforme dito anteriormente, você pode inserir novas peças ou camadas de roupa, que te auxiliarão, principalmente, nas baixas temperaturas.

    • Manguitos: peças que cobrem apenas os braços, são práticas e fáceis de colocar e tirar, ocupam pouco espaço nos bolsos. É um item coringa no seu guarda-roupa. Existem versões ‘meia estação’ e as de inverno, escolha conforme a introdução deste artigo.
    • Joelhitos/Pernitos: os primeiros cobrem até um palmo abaixo do joelho e o segundo a perna toda. São itens coringa assim como os manguitos.
    • Coletes Corta-Vento: está como acessório mas é um item essencial para se ter, é feito para barrar o vento frontal e atrás é feito com material respirável, honra o nome e cumpre bem a função, além de ocupar pouco espaço.

    • Jaquetas: compre uma de acordo com os itens iniciais desta lista, para não correr o risco de ficar com um item que não exceda ou que não supra sua demanda.

    • Capas de Chuva: para o ciclismo já existem capas de chuva super leves, que ocupam pouco espaço e podem ser usadas por cima de qualquer peça de roupa. Se você é um cara que enfrenta bastante chuvas, é mais do que um item acessório.
    • Botinhas: cobrem a sapatilha e mantém o conforto térmico dos pés. Os mais básicos de Lycra para proteger apenas do frio, como as de Neoprene ou as de látex ultra resistentes as chuvas.
    • Caps: é um item icônico no ciclismo e vai muito bem em dias frios ou chuvosos utilizando por baixo do capacete.

    • Bandana: consiste num ‘tubo’ de tecido, super versátil e de acordo com as dobras podem proteger diferentes partes do pescoço e cabeça.

    Dicas Extras

    Nunca esqueça do filtro solar e um bom hidratante labial para os dias mais frios.

    Compartilhe este post

    Deixe um comentário

    Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.