• Início
  • Journal
  • Brasileiro bate recorde mundial da travessia das Américas de bicicleta
  • Brasileiro bate recorde mundial da travessia das Américas de bicicleta, sem suporte

    Brasileiro bate recorde mundial da travessia das Américas de bicicleta, sem suporte
    No Sábado (02/09/2023), Leandro Carlos da Silva, conhecido como “Léo Pedalando pelo Mundo” terminou a travessia sem apoio de 22.434,79 KM de Prudhoe Bay, no Alasca, até Ushuaia, na Argentina, estabelecendo um novo Recorde Panamericano, sem suporte.
    O ciclista de Caldas Novas, Goiás, Brasil, começou no dia 30 de maio de 2023, em Prudhoe Bay, no norte do Alasca, a tentativa de estabelecer um novo recorde mundial. O objetivo: chegar a Bahia Lapataia no Ushuaia, no extremo sul da América do Sul em menos de 97 dias.
    No dia 02 Setembro de 2023, Léo chegou ao seu destino após 95 dias, 16 horas e 57 minutos, superando o recorde anterior sem suporte em 02 dias, 04 horas e 12 minutos. Ele percorreu 22.434,79 KM com 123.803 metros de altimetria acumulada*, cruzou 15 países, diversos fusos horários e todas as zonas climáticas do planeta.
    Além desse recorde, ele também estabeleceu o novo recorde da travessia mais rápida sem suporte da América do Norte (Proudhoe Bay) a América Central (Cidade do Panamá) em 49 dias. O recorde anterior para o mesmo trecho era de 52 dias.
    Léo não teve um veículo de apoio que o seguia, assim era ele que tinha que levar seu equipamento, carregar seus eletrônicos, além de lavar sua própria roupa e comprar sua comida. Quando não encontrava hotel nas cidades em que pernoitava, ele ficava em sua barraca de camping, ou dormia ao relento nos acostamentos das rodovias do trajeto.
    Enfrentou as mais diversas Intempéries e condicões extremas: frio extremo no Alasca, incêndios no Canadá, ondas extremas de calor e chuvas de granizo nos Estados Unidos e México, dificuldades nas passagens de fronteiras na América Central, falta de internet e energia elétrica na Venezuela, estradas precárias (sem asfalto) no Brasil e na Bolívia, frio e ventos contrários na Patagônia Argentina.
    A bicicleta utilizada foi uma Gravel e passou por três revisões durante toda travessia. A primeira nos Estados Unidos, a segunda no Panamá e a terceira no Brasil. Foram utilizados 4 jogos de pneus, 4 cassettes e 8 correntes durante toda travessia. A bicicleta utilizada foi uma Univox da Swift Carbon, os componentes utilizados são da Shimano e a coroa da Ictus.
    Léo pedalou todos os 95 dias sem nenhum dia de descanso. Fez média de 236,15 KM por dia. No ano de 2022 ele tentou quebrar o recorde, mas por problemas de saúde teve que adiar o sonho. Nesse ano mais preparado, munido de barraca de camping, com ajuda de especialistas, ele estabeleceu a rota que ia seguir antes mesmo de sair do Brasil, e esses foram fatores primordiais para a conquista do objetivo.
    E agora? Quais as novas aventuras?
    INSTAGRAM
    @leopedalandopelomundo
    Fotos: Breno Bizinoto
    Compartilhe este post

    Deixe um comentário

    Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.