• Início
  • Journal
  • Giro etapa 19 – Subindo nas tamancas
  • Giro etapa 19 – Subindo nas tamancas

    Giro etapa 19 – Subindo nas tamancas

    por Leandro Bittar

    Sabe aquele escalador famoso nascido nos Países Baixos? Não? Tudo bem. São raros.  A Holanda é conhecida pelo amor ao ciclismo, mas não é bem uma terra de escaladores. Só que nesta sexta, na etapa 18 do Giro d’Italia, Koen Bouwman – um holandês – confirmou matematicamente a maglia azzurra. Ele só precisa chegar em Verona no domingo para ser nomeado o King of the Mountain do Giro. O título (ainda virtual) veio junto com mais uma vitória de etapa, desta vez com um final em subida. Um dia tão anormal quanto um escalador holandês e que por pouco não deixou todo mundo irritado.

    Os cinco escapados disputaram a posição na última curva como em um velódromo

    A etapa entre Marano Lagunare e Santuario de Castelmonte era um dos dias mais esperados da edição. Boas e duras montanhas, uma visita à Eslovênia e um previsível embate entre os favoritos. Foi angustiante e frustrante. Teve um embate? Sim. Mas por muito pouco tempo. Apenas nos quilômetros finais os candidatos ao título se atacaram e, para variar, não produziram diferenças. Mikel Landa (Bahrain), Jay Hindley (Bora) e Richard Carapaz (INEOS) seguem muito parelhos. Era para ser emocionante, mas não é esse o sentimento.

     

    Todos os favoritos atacaram, mas foram neutralizados pelos seus rivais

     

    Talvez, o pior tenha sido ver o pelotão abrir totalmente mão da disputa pela etapa. Deu a vitória de bandeja para uma fuga onde o melhor escalador era o holandês. Cinco remanescentes da escapada do dia fizeram uma subida confortável e chegaram juntos ao topo da subida para um sprint. A etapa desta sexta, de fato, pareceu mais uma etapa plana do que de montanha. É para subir nas tamancas, como dizia a vovó.

    Duas vitórias de etapa e uma camisa. O holandês tem muito o que celebrar

     

    Com a camisa ciclamino (Arnaud Demare) e a azurra (Koen Bouwman) matematicamente decididas, a disputa nos dois últimos dias estará totalmente concentrada na maglia rosa. Carapaz perdeu um dos seus principais gregários, o veterano Richie Porte e vai ter que se virar nas três montanhas dos Dolomitas. Será que ele está satisfeito com os 3s de vantagem sobre o Hindley? Vai deixar a decisão para a crono no domingo?

    No cardápio três subidas muito exigentes: Passo San Pellegrino (cat1), Passo Pordoi (Cima Coppi) e o Passo Fedaia (cat1), estas duas últimas com o topo acima dos 2.000m de altitude. Há terreno para batalhas. As equipes estão visivelmente exaustas. Mas aguardamos coragem para o combate. O Giro merece.

     

     

     

     

     

    Compartilhe este post

    Deixe um comentário